🚉🛄Turismo Ferroviário: 4 estações de comboio para dormir em Portugal.

🚉🛄🚂🚃 Uh! Uh! Pouca terra, pouca terra. Pare, escute, olhe e aproveite para fazer Turismo Ferroviário! Não perca o comboio deste artigo! O comboio é o nosso meio de transporte preferido, quando não utilizamos o carro. Se já está a planear as próximas escapadinhas e quer evitar fazer viagens de automóvel (ou de avião), o comboio é uma boa opção que o leva a lugares incríveis, de norte a sul de Portugal. E porque não dormir e descansar numa Estação Ferroviária transformada num Hotel de Luxo, Alojamento Rural ou numa Guest House? Sugestões diferentes para quem queira ter um fim-de-semana diferente numa antiga estação abandonada transformada em locais verdadeiramente maravilhosos. O mote destes projetos turísticos – de alojamento local e de animação turística – é reabilitar o património ferroviário edificado (em ruinas, abandonado ou sem uso comercial), preservar a identidade local e dar vida aos lugares de outrora. Viva a Cultura Ferroviária! Cultura, lazer e património. De comboio viaja-se mesmo. Da janela de um comboio, a paisagem torna-se mais humanizada. Sai-se do comboio e entra-se num mundo à parte. O Mundo das Estações Ferroviárias.

Leia o Artigo completo

🌊Conheça a Lagoa de Óbidos: um passeio sustentável na região Oeste.

⚓Crónicas Oestinas. Óbidos é uma localidade, gentil e pitoresca, da região Oeste de Portugal tem muito mais do que o seu magnânimo Castelo, as imponentes muralhas e o antiguisismo burgo medieval. Tem  uma lagoa, flamingos, humildes pescadores e trilhos pedestres “marcados” para serem gozados em  total comunhão com a natureza.  É um postal turístico de Portugal e, particularmente, da região Oeste. Continua a ser hospitaleira, e acolhedora, para quem ali vai tomar banhos de mar, caminhar nas suas margens e divertir-se a realizar desportos náuticos.

Leia o artigo completo

📰Blogue OLIRAF em destaque na Revista “Viagem na História – Turismo Militar”!

⚔️Está disponível o segundo número da revista “VIAGEM NA HISTÓRIA – TURISMO MILITAR”, uma edição da Rota Histórica das Linhas de Torres. Criada em Junho de 2021, gratuita e com edições semestrais, esta revista digital [da Associação de Turismo Militar Português] é dedicada à promoção do património histórico-militar português, destacando o potencial turístico e cultural do de Portugal, através de entrevistas, visitas ao património edificado e experiências de animação turística. onde a história dos sítios se cruza com experiência diferenciadoras e enriquecedoras. E o nosso Blogue OLIRAF, está em destaque!

Leia o Artigo completo

OLIRAF Blogger Trips 2021: 12 Experiências, 12 Imagens (Instagram)

Caro leitor(a) e amigos(as),

🎅🎄🎁O Blogue OLIRAF deseja-lhe Boas Festas 🎄🎅🎁

O Blogue OLIRAF deseja a todos os amigos, leitores e parceiros um Feliz Natal e um próspero Ano Novo na certeza de que em 2022 teremos oportunidade de estreitar [e de viajar] ainda mais os laços que nos unem!

Natal é época de (re)nascimento, é época de novas metas para o novo ano que se aproxima no horizonte. É tempo de viragem, planear um ano ainda melhor. O nosso maior desejo é que todas as pessoas tenham as mesmas oportunidades e possam assim alcançar o futuro com que sonham.

Que 2022 seja uma janela de Esperança para um novo tempo, mais Limpo, mais Fraterno e mais Saudável. São os nossos votos para o Novo Ano, com esperança.

Leia o Artigo completo

🚞De Madrid a San Lorenzo de El Escorial: uma viagem de comboio até ao coração do poder de Filipe II de Espanha.

🇪🇸Próxima Estação: El Escorial. Sugestões e impressões pessoais de um passeio fotográfico pelas “cercanías” da capital espanhola: Escorial, meus caros, Escorial! Deixei para trás a movida e o salero de Madrid e fui em busca de um lugar mais recatado e calmo. Reservei um dia na minha visita a Madrid para visitar os arredores da Comunidade de Madrid. A minha opção recaiu sobre o histórico e pequeno município de San Lorenzo de El Escorial (também conhecido por  El Escorial de Arriba), situado a menos de 50 km a noroeste de Madrid. Há muito que queria conhecer o “Real Sitio de San Lorenzo de El Escorial”. E também havia outro motivo. Queria experimentar viajar de Comboio por Espanha. Trata-se de uma forma diferente de viajar, para quem não tem carro, e utiliza o transporte público nas suas itinerâncias. Porque não conhecer o Escorial, com recurso ao transporte ferroviário?

Leia o Artigo completo

🏛️📷 Conheça o Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s: o mais antigo estúdio de fotografia em Portugal (1852-1978).

📷Uma viagem pelos primórdios da Arte Fotográfica em Portugal. Já imaginou um museu dentro de um antigo estúdio fotográfico oitocentista? Localizado na capital insular, no Funchal, o Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s é um espaço museológico aberto ao público desde 1982. Fechado durante muitos anos, entre 2014 e 2019, este museu instalado no antigo “studio” fotográfico de Vicente Gomes da Silva (1827-1906) reúne um vasto espólio composto por cenários, máquinas fotográficas, molduras com fotografias originais, livros sobre técnicas fotográficas e um valioso conjunto de 800 mil negativos, datados de 1876 a 1982, à guarda do Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira. Foi considerado o Museu Português do Ano em 2020, pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM), a premiar a paixão e o carinho do seu director, funcionários e de todos os madeirenses pelo legado patrimonial e imagético das quatro gerações da Photographia Vicente. Ainda hoje, a “Photograhia Vicente” representa, no panorama do património cultural da Ilha da Madeira, uma das mais prestigiadas e principais casas fotográficas, quer pela sua antiguidade, quer pela sua atividade na mesma família ao longo de quatro gerações. Vamos conhecer o mais antigo estúdio de fotografia do país e venha celebrar connosco o Dia Mundial da Fotografia!

Leia o Artigo completo

📰🎙️Blogue OLIRAF em destaque na Revista INVADE da Rota Histórica das Linhas de Torres!

Está disponível o quarto número da revista INVADE! Património. Turismo . Lazer, uma edição da Rota Histórica das Linhas de Torres. Criada há três anos, e com edições semestrais, a Invade! tem como objetivo é divulgar o património das Linhas de Torres Vedras, inserido num território rico em cultura, memória e experiências inesquecíveis, onde a histórica dos sítios se cruza com a gastronomia, os vinhos, o golf, as atividades equestres, pedestres e desportivas, entre outras experiências. E Blogue OLIRAF, na rubrica Mãos à obra, está em destaque!

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

A revista “INVADE!

Sob o lema “Mais que 152 Motivos Fortes” [para visitar as Linhas de Torres], a publicação tem inúmeras novidades e sugestões de possíveis experiências a dois, em família, ou em grupo pelos concelhos que integram as Linhas de Torres. Lançada pela Rota Histórica das Linhas de Torres, (RHLT) a 20 de outubro de 2019, Dia Nacional das Linhas de Torres, a revista INVADE pretende afirmar-se como um convite para visitar o património histórico-militar do sistema defensivo oitocentista da Península de Lisboa, construído no contexto das Invasões Francesas (1807-1811). Trata-se de uma revista turística – Património, Lazer e Gastronomia -, criada para divulgar a riqueza de um território que cruza a história, a identidade, a paisagem e um património único na Europa, com a gastronomia, o enoturismo, o golf, a cultural as atividades equestres, pedestres e desportivas, entre outras experiências únicas e diferenciadoras.

Este é mais um passo para divulgar a riqueza de um território, que se estende entre o Tejo e o Atlântico, que cruza a história, a identidade, a paisagem e um património único na Europa, com a gastronomia, os vinhos, o golfe, as atividades equestres, pedestres e desportivas, entre outras experiências.

Com uma tiragem inicial de 1.500 exemplares, a revista é bilingue e está disponível nos Postos de Turismo e Centros de Interpretação das Linhas de Torres dos municípios de Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira e em alguns agentes económicos da região, que trabalham o tema das Invasões Franceses, nas suas múltiplas vertentes turísticas. Por exemplo, um dos pontos ASK ME de Lisboa.

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

Blogue OLIRAF em destaque na Revista INVADE!

Neste quarto número da “Invade!”, lançado no mês passado, fala-lhe, entre outras coisas, do que pode fazer, visitar, comer e experienciar na região das Linhas de Torres. Damos destaque para a rubrica Mãos à obra… [ver a pág. 16], onde o nosso mentor Rafael Oliveira, autor do Blogue OLIRAF dá uma uma entrevista sobre o seu percurso na área da fotografia, das viagens e na promoçãodo Turismo Histórico-Militar como tendência em crescimento, em virtude do período conturbado que Portugal, e o mundo, atravessam, e dos Travel Bloggers na retoma da atividade turística nacional, nomeadamente na Região Centro de Portugal. E revelamos algumas curiosidades sobre as nossas verdadeiras paixões: a história, fotografia e as viagens.

Aceda e leia [em detalhe e gratuitamente] toda a entrevista aqui.

Boas Leituras!

Não deixe de fazer…

  • percorrer os fortes e redutos que dão corpo à Rota História das Linhas de Torres Vedras;
  • observar um belo pôr-do-sol no Arquipélago das Berlengas;
  • fotografar centro histórico da cidade de Torres Vedras e o seu castelo secular;
  • visitar o Majestoso edifício setecentista do Asilo dos Inválidos Militares de Runa;
  • caminhar pelos trilhos e azenhas das Termas dos Cucos;
  • saborear a gastronomia local e regional no restaurante Napoleão Taberna;
  • fazer um dia de praia nos 20 km de Costa Atlântica do concelho de Torres Vedras;
  • conhecer as estações da Linha de Oeste: Dois Portos, Runa, Torres Vedras e Outeiro da Cabeça.

NÃO PERCA AS MINHAS AVENTURAS E OLHARES FOTOGRÁFICOS NO INSTAGRAM e no SAPO VIAGENS! UM ENCONTRO COM A HISTÓRIA, AO SABOR DAS IMAGENS…

🔗Para mais informações:

Rota Histórica das Linhas de Torres

A Rota Histórica das Linhas de Torres (RHLT) é um projeto turístico-cultural constituído com o objetivo de recuperar e valorizar o património histórico-militar construído no início do século XIX, pelas forças anglo-lusas comandadas pelo Duque de Wellington, para defender a cidade de Lisboa das invasões dos exércitos napoleónicos.

A Rota contempla um conjunto de 152 fortificações, distribuídas por seis municípios, que serviram para defender a região de Lisboa das tropas de Napoleão. Além de Loures, fazem parte desta rota os municípios de Mafra, Torres Vedras, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Vila Franca de Xira.

Este projeto turístico-cultural é alicerçado em circuitos de visita intermunicipal,  apoiados em  seis centros de interpretação, em articulação com um território e as suas comunidades.

No Centro de Interpretação das Linhas de Torres | Sobral de Monte Agraço são proporcionadas experiências pedagógicas que permitem ao visitante, através de novas abordagens sobre a temática, uma maior fruição do património, bem como promover o conhecimento da importância histórica das Linhas de Torres.

PARCEIROS E ASSOCIADOS

Um projeto e uma causa dos Municípios de Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Vila Franca de Xira.

CILT – Sobral de Monte Agraço

Contactos/informações
Praça Dr. Eugénio Dias, n.º 12
2590-016 Sobral de Monte Agraço

Telefone: (+351) 261 942 296

Email: info@rhlt.pt

Horário: Terça-feira a Domingo das 10h00-13h00 e 14h00-18h00

Encerramento: segunda-feira e feriados

Nota importante [👤]

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são suscetíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. As recomendações de produtos turísticos baseiam-se nas experiências [reais] de viagem e o conteúdo editorial é independente de terceiros.  Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03

💻 Texto: Rafael Oliveira 📷 Fotografia: Oliraf Fotografia 🌎

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

FOTOGRAFIA✈︎VIAGENS✈︎PORTUGAL © OLIRAF (2021)

📩 CONTACT: OLIRAF89@GMAIL.COM

📕Blogue OLIRAF associa-se à iniciativa “#EuFicoEmPortugal” e participa no segundo livro da Associação de Bloggers de Viagens Portugueses (ABVP).

✒️ Portugal é um país repleto de inúmeras maravilhas naturais, patrimoniais e humanas. Na impossibilidade de viajar, seja cá dentro e lá para fora, os Livros são ótimas escolhas para viajar sem sair do conforto do lar. 25 bloggers de viagem portugueses aceitaram este desafio, lançado pela ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses, no âmbito da iniciativa #EuFicoEmPortugal.🇵🇹 Foi uma das formas encontradas por esta associação sem fins lucrativos para incentivar os seus associados a conhecer as “belezas menos exploradas do nosso país” e a dinamizar o turismo interno no nosso país, procurando criar conteúdos que levem os portugueses a viajar pelo Portugal, particularmente, em territórios de baixa densidade. O resultado dessas experiências deu origem ao segundo livro colaborativo da ABVP, editado pela Idioteque. E nós fomos uma das 25 estórias contempladas. Trata-se de um grito de resistência, e de resiliência e de manter viva essa nobre arte de praticar o ócio: o ato de viajar. É uma espécie de vá-para-fora-cá-dentro.

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

A INICIATIVA #EuFicoEmPotugal (ANTENA 1 | RTP PLAY)

A Associação de Bloggers de Viagem Portugueses (ABVP) é fundadora da iniciativa #euficoemportugal que promove experiências de viagens, únicas e diferenciadoras, em Portugal. Neste âmbito, durante o verão de 2020, dezenas de bloggers de viagem portugueses associados da ABVP lançaram-se numa campanha de divulgação do nosso país. Foi um contributo de todos aqueles que acreditam que as viagens têm o poder de mudar o mundo. Percorreram o país de norte a sul, de este a oeste, em todos os distritos e nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores. Destas experiências de viagem resultou um podcast na rádio público – Antena 1 – em conversas de viagens com jornalista Tiago Alves.

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

Próximo Destino: Portugal. E se fosse desafiado, caro leitor-viajante, por 25 Bloggers de Viagem Portugueses a (re) descobrir o nosso país?

Depois do livro “Viagens de uma vida“, lançado em meados de 2020, a Associação de Bloggers de Viagem Portugueses (ABVP) promove o o segundo livro colaborativo, desta vez, com estórias e crónicas de viagem pelo território português, particularmente, em territórios de baixa densidade. Trata-se de um contributo, inspirado por 25 estórias de viagem, para dinamizar o Turismo em Portugal. Um dos sectores, e um dos motores económicos da economia portuguesa, mais atingidos pela pandemia da Covid-19. Na primeiro livro, como escreveu na badana do livro, Filipe Morato Gomes escreveu o seguinte: “Tal como nós, que o leitor se sinta inspirado para partir, explorar e ‘descobrir-se’”.  É o mote do presidente desta comunidade de bloggers nacionais.

Trata-se da segunda aventura no universo dos livros a cargo da ABVP. O livro surge de uma parceria entre a ABVP (Associação de Bloggers de Viagem Portugueses) e a Idioteque. A Idioteque abraça, novamente, este projecto editorial centrado nas melhores experiências de viagem vividas, por inúmeros bloggers de viagem associados da ABVP, em diversos territórios de baixa densidade de Portugal Continental e Ilhas. A obra é uma selecção de 25 textos, de 25 bloggers, com mais de 150 páginas de estórias e 50 fotografias ilustrativas que dão cor ao segundo livro colaborativo da ABVP. É o epílogo da iniciativa #EuFicoEmPortugal .

“Quanto mais viajo, mais tenho a certeza de viver num país extraordinário, com uma diversidade a todos os níveis notável” diz o autor do blogue Alma de Viajante. O livro é da ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses. O epilogo desta iniciativa e/ou a ideia do selo que está na capa do livro, tipo “um contributo para dinamizar o turismo em Portugal, numa altura tão especial como a que vivemos”.

Também Rui Barbosa Batista, fundador do blogue BornFreee e jornalista da LUSA, refere que “o livro não fala só de lugares”, mas de pessoas – “o maior património” – e experiências vividas por todo o território, de Trás-os-Montes ao Alentejo.

“A Idioteque não poderia passar ao lado desta iniciativa que visa reanimar o turismo português”, diz o editor, Manuel Andrade, que renova a parceria com a ABVP em nome do “lado mais profundo e quantas vezes telúrico e feérico do nosso maravilhoso país”, percorrido de norte a sul, de este a oeste e até às ilhas.

A capa deste livro foi decidida pela editora Idioteque e pela VASP © Créditos Idioteque

Sinopse

Neste livro, pela primeira vez 25 dos mais influentes bloggers de viagem nacionais juntaram-se para um objetivo concreto: com os seus textos promover o turismo em Portugal, atenuando o brutal impacto da pandemia no setor, com especial ênfase nos territórios de baixa densidade.

A obra é uma seleção de duas dezenas e meia de olhares e experiências muito diversificados sobre destinos espalhados pelo território português. Desce de Melgaço, onde um Outro Portugal começa, e segue em busca de histórias encantatórias como a da baleação na Ilha do Pico, apeando-se por várias páginas junto ao calor das gentes e dos sabores alentejanos, enquanto vai regando a narrativa com os ainda pouco conhecidos vinhos da Beira Interior. Passa também pelas minas abandonadas de São Domingos, acenando de caminho aos garranos no Gerês e levando-nos a conhecer os Castelos de Sintra, bem como os montes de Alvarenga, a lagoa de Óbidos, o rio Tejo ou a empreita em Loulé, entre outras inúmeras belezas, menos explorada.

Capa, lombada e verso do livro #EuFicoEmPortugal, com o presidente da ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses, Filipe Morato Gomes, e editado pela Idioteque © Créditos Idioteque

Sobre a minha crónica de viagem: a lagoa de óbidos.

Existe uma região ainda por descobrir e está mesmo às “portas” de Lisboa. A região Oeste é onde estão as minhas raízes, particularmente, no concelho de Torres Vedras. Dai, a minha escolha afetiva ser uma experiência realizada nesta região bem portuguesa. A minha participação na iniciativa #EuFicoEmPortugal, traduziu-se, assim, numa crónica, escrita e fotográfica, sobre a Lagoa de Óbidos, um dos ex-libris naturais e paisagísticos de uma região muito particular: o Oeste.

Trata-se de uma crónica oestina com sabor a maresia. Há lugares fantásticos, perto de nós, mas longe da multidão. O concelho de Óbidos integra este leque restrito. Considerado um dos destinos nacionais mais turísticos, e não obstante a sua história secular, a verdade é que a vila se tem renovado ano após ano. Os eventos culturais multiplicam-se, de forma a atrair visitantes continuamente, desde os miúdos aos graúdos, e há acontecimentos para todos gostos.

O Centro de Interpretação da Lagoa de Óbidos (CILO), iniciativa liderada pela #LPNatureza, pretende que todas as pessoas usufruam de uma experiência de visitação para descoberta da Lagoa de Óbidos. Trata-se de um novo produto turístico, destinado a pequenos grupos, ideal para famílias, seguro, de conforto ou de aventura, que reúne natureza, cultura e bem-estar numa das mais belas paisagens do Oeste. Nesta crónica de viagem pretendi dar a conhecer a minha experiência [de um dia] no maior sistema lagunar costeiro de Portugal, bem como as suas memórias, património, vivências e objetos, devidamente contextualizados, são fundamentais para conhecer e compreender a história da Lagoa de Óbidos, integrantes do seu património e parte vital da identidade e comunidades locais desta região de Portugal. Estou grato por partilhar as suas memórias, fotografias, objetos e outros testemunhos deste lugar único que é património de todos nós. Foi um gosto colaborar e dar a conhecer um pouco da vossa paixão e divulgação do melhor que se faz em Portugal, ao nível da promoção do turismo de experiências, particularmente, na região Oeste de Portugal.

Excerto do livro #EuFicoEmPortugal, com a crónica de viagem pela Lagoa de ÓBIDOS, escrita pelo autor e blogger Rafael Oliveira © Créditos OLIRAF

Viajar não é apenas passear por países, lugares e paisagens exóticas. Viajar é conhecer. E não há nada que entusiasme mais um viajante do que partilhar com os outros aquilo que vivenciou. Não é um guia de viagem. Não é um Livro de Viagens. É um livro de muitas estórias de experiências em viagem. É isso que pode encontrar neste livro colaborativo da ABVP. Feito de viajantes conhecidos para viajantes anónimos. Para mim, escrever é uma necessidade. Ler é uma viagem. “Querer simplesmente escrever, como andar. A necessidade não é de escrever, mas de querer escrever. Tal como a necessidade não é de amar, mas de querer amar”, lê-se no road movie MOVIMENTO EM FALSO (1974), de Wim Wenders.

Com saudades de viajar? Nós também. Faça História partilhando a sua.

▶️ Livro #EuFicoEmPortugal apresentado em streaming a partir de Montalegre.

O Lançamento, com transmissão online (veja aqui o link), em jeito de conversa foi feito partir do Ecomuseu de Barroso – Espaço Padre Fontes, em Montalegre, um dos municípios retratados na obra. Estavam presentes as mesmas quatro pessoas do primeiro livro: os bloggers de viagem Filipe Mourato Gomes (Alma de Viajante), na qualidade de Presidente da ABVP, Rui Batista Barbosa (Bornfreee), autor do texto que se passa na região, e o representante da editora Idioteque. A moderação foi efetuada pelo jornalista Tiago Alves, da #Antena1. Face aos constrangimentos da pandemia Covid-19, o público não pode assistir presencialmente à apresentação do livro colaborativo da ABVP.

Eis a lista de Blogs/Autores que participaram no livro #EuFicoEmPortugal:

  • 23 Quilos à Justa – Soraia Deus e Pedro Moita
  • 100 Rota – Francisco Agostinho
  • 365 dias no mundo – Raquel Morgado e Tiago Pinto
  • A Crush On – Lígia Gomes
  • Alma de Viajante – Filipe Morato Gomes
  • Bornfreee – Rui Barbosa Batista
  • Carimba o Passaporte – Pedro Costa
  • Continuando à procura – Carla Ferreira
  • Contos Alfacinhas – Filipa Chatillon
  • Daniela Santos Araújo – Daniela Santos Araújo
  • Entre Vinhas – Madalena Vidigal
  • Explorandar – Diana Bencatel e Ricardo Mendes
  • Intrepid Jumpers – Diogo Frias e Filipa Frias
  • LikedPlaces – Maria Antónia Lopes
  • Lugares Incertos – Jorge Duarte Estevão
  • Marlene On The Move – Marlene Marques
  • Menina Mundo – Miriam Pina
  • OLIRAF – Rafael Carvalho de Oliveira
  • Passaporte no Bolso – Mónica Rodrigues Alves
  • Portugal de lés a lés (Hit the Road) – Jorge Montez
  • Sempre entre viagens – Inês Miranda
  • Travel Random Notes – Sónia Dias
  • Viajar entre viagens – Carla Mota e Rui Pinto
  • Viajário Ilustrado – Carlos Brum Melo e Ana Catarina Silva
  • Wandering Life – Catarina Leonardo

🛒 COMO ADQUIRIR A PUBLICAÇÃO #EuFicoEmPortugal?

O livro está com um design muito apelativo, recheado de estórias diferenciadoras, fotografias ilustrativas das experiências e de fácil leitura. São vários rostos, vários percursos e várias experiências Este livro dá a conhecer lugares únicos e extraordinários em Portugal, como as estórias de quem a viveu. Estará à venda nas principais livrarias portuguesas a partir do próximo dia 22 de junho, com o preço de capa de 15€. Por exemplo, na WOOK, o livro já se encontra em pré-venda e disponível para encomendas online. Como bibliófilo, amante de livrarias tradicionais e do comércio local, sugiro que procurem em livrarias alternativas – que tanto precisam da nossa ajuda -, como são o caso da Palavra de Viajante (Lisboa), da Livraria Esperança (Funchal) ou do Insensato | Café-Livraria (Tomar).

📚 Apoie e incentive os autores: adquira uma versão especial do livro.

Caso tenha interesse em receber uma cópia autografada (e personalizada) pelo autor do Blogue OLIRAF, teremos todo o gosto em enviar-lhe um exemplar por correio (via CTT, as moradas exclusivamente em Portugal Continental e Ilhas). Também posso entregar em mão (Lisboa, Torres Vedras e na Madeira). O preço do livro é de 15€ + portes de envio. O preço final ficará por 17€. Poderá, assim, recebê-lo comodamente em sua casa. Para tal, basta enviar-me um e-mail – oliraf89@gmail.com – com a quantidade de exemplares pretendida, o seu nome e a morada do domicilio. Importa referir que ao adquirir esta publicação está a ajudar os Membros da ABVP (Associação de Bloggers de Viagens Portugueses), onde me incluo, a criar, incentivar e a partilhar estórias de viagem em Portugal e no Mundo. Queremos, acima de tudo, chegar ao maior número possível de pessoas, promover a leitura e a viajar de uma forma mais sustentável.

NÃO PERCA AS MINHAS ESTÓRIAS, AVENTURAS E OLHARES FOTOGRÁFICOS NO INSTAGRAM e no SAPO VIAGENS! UM ENCONTRO COM A HISTÓRIA, AO SABOR DAS IMAGENS…

📝Nota Informativa:

O Blogue OLIRAF agradece o convite dos parceiros do projeto “Centro de Interpretação para a Lagoa de Óbidos”, uma iniciativa Orçamento Participativo Portugal (OPP) que conta com o apoio da FCT e da Ciência Viva, e com a participação na sua execução da Liga para a Protecção da Natureza (LPN), da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, da Câmara Municipal de Óbidos e do Conselho da Cidade – Associação para a Cidadania. Resta-me, também, agradecer as empresas de animação turística – Interdital – Natureza e Aventura e a Passa Montanhas – que dão a conhecer inúmeras experiências sustentáveis pela Lagoa de Óbidos.

Esta crónica de viagem foi efetuada no mês de Setembro de 2020 no terreno. Foi escrita em Março de 2021 durante o segundo confinamento no contexto da pandemia Covid-19.

Este artigo pode conter links afiliados.

🔗Para mais informações:

A ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses promove o desenvolvimento profissional dos bloggers de viagens e estimula a criação de relações éticas e transparentes com os leitores e com o mercado de viagens em Portugal. Organizamos palestras e workshops para capacitar os associados com ferramentas fundamentais para a melhoria contínua dos seus blogs; Encorajamos ações concertadas entre os bloggers de viagem que sirvam de exemplo e motivem os leitores a tornarem-se viajantes mais conscientes; Estimulamos a criatividade, o pensamento crítico e a produção de conteúdos originais e inspiradores dentro do segmento das viagens e turismo; Incentivamos a partilha de conhecimento e interação entre os bloggers, bem como a participação em eventos do setor. Artigos relevantes para os bloggers de viagem e os parceiros ligados à indústria do turismo.

O Blogue OLIRAF foi aceite, em Outubro de 2020, como membro Associado Colaborador da ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses. Recentemente, o nosso projeto de escrita e fotografia de viagens teve oportunidade falar sobre o nosso nicho de mercado: o Turismo Militar ⚔️. Pode ler aqui, o nosso artigo no blogue da Associação.

Junte-se a esta comunidade digital que inspira as pessoas a viajar! Ética, formação e bom senso em viagem. É trazer o melhor do Jornalismo de Viagem para o Mundo Digital.

Caso tenha um blog de viagens, leia as perguntas frequentes e os benefícios dos associados, e verifique se o seu blog se enquadra nos pré-requisitos e está de acordo com o Código de Ética da ABVP. Se partilhar da nossa filosofia e dos nossos valores, associe-se agora! Se pondera e tem interesse em trabalhar em parceria com bloggers de viagens qualificados, entre em contacto!

Nota importante [🔎]

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. As recomendações de produtos turísticos baseiam-se nas experiências [reais] de viagem e o conteúdo editorial é independente de terceiros. Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03

 🖋️Texto: Rafael Oliveira  📸 Fotografia: Oliraf Fotografia 

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

FOTOGRAFIA✈︎VIAGENS✈︎PORTUGAL©OLIRAF (2021)

 CONTACTO: OLIRAF89@GMAIL.COM

🌍OLIRAF Blogger Trips 2020: 12 Experiências, 12 Imagens (Instagram)

🗺Foi um ano de grandes e exigentes desafios para todos os profissionais, particularmente, para o sector das viagens e da cultura. Em dezembro do ano passado, quando estávamos a fazer o balanço de 2019 e a preparar os nossos roteiros de viagem para 2020, não imaginávamos que o ano seria exigente no planeamento, agendamento e cancelamento de viagens, passeios, caminhadas e experiências gastronómicas. Não estávamos preparados para gerir tanta incerteza e, sobretudo, a imprevisibilidade no nosso quotidiano habitual. Porém, face ao “novo normal”, não desistimos e fomos persistentes. Do Turismo Histórico-Militar aos Lugares Abandonados. Dos locais turísticos aos pitorescos. Gostamos de viajar, não porque gostamos de mostrar, mas porque nos dá prazer. Sempre com a curiosidade pela História e com a vontade de inventariar [através da arte fotográfica] o Mundo e de catalogar as estórias das pessoas. Para mais tarde, arquivar na nossa memória. Recordemos, então, o ano 2020 que termina.

Este 2020 tão estranho trouxe-nos aprendizagens fundamentais, por exemplo, o caso do “Faz de conta que ando a viajar”! Cancelamos a nossa viagem à cidade renascentista de Florença (Itália) e as inúmeras recriações históricas das Guerras Peninsulares (1808-1814) em Portugal e Espanha. Face as contingências da pandemia, optamos por viajar por Portugal. Em Março, viajamos ao Norte de Portugal para conhecer os Passadiços do Paiva e viajar na única linha ferroviária de via métrica: a Linha do Vouga. Ao longo do ano, as nossas viagens foram pela região Oeste. Uma região bem familiar que ficamos a conhecer [ainda] melhor. Voltamos as caminhadas pela Arrábida. Fizemos um passeio de barco pela Lagoa de Óbidos. Saímos da nossa zona de conforto – o Turismo Militar – e arriscamos num novo segmento de mercado em ascensão: o Turismo Ferroviário.  No inicio do ano, aderimos à “Guerrilha de Montagraço” da Acr Treze Setembro Associação (Sobral de Monte Agraço). Em julho, fomos aceites como parceiros da SAPO VIAGENS e, no final do ano, como blogger associados efetivos e colaboradores da Associação de Bloggers de Viagens Portugueses (ABVPT). Recentemente, a convite da Associação de Turismo Militar Português (ATMPT), falamos sobre a tendência do Turismo Histórico-Militar e da nossa experiência como viajantes na promoção deste nicho de mercado das viagens. Leia aqui.

#oliraffotografia (Instagram). Eis 12 olhares e experiências para fazer no nosso país!

🏞️Percorrer os Passadiços do Paiva!

🍷Fazer Enoturismo em Torres Vedras!

Percorrer os Castelos da Região Oeste!

🛤️Fotografar a Linha do Oeste, vista do ar!

🏚️ Descobrir Lugares Abandonados!

🏞️Realizar Caminhadas na Natureza!

🌽 Fazer Moinhologia e Trigo Barbela da Região Oeste!

Passear e fazer um passeio de barco pela Lagoa de Óbidos!

⚔️Recriações Históricas das Guerras Peninsulares (1808-1814)

🚉 Viajar na Linha do Vouga!

📍Admirar a Igreja da Válega!

✈️Viajar e descobrir as maravilhas da Ilha da Madeira!

Num ano de distanciamento há sempre alguém a quem agradecer por estar presente! Você, caro, Leitor! Até 2021, 𝘃𝗲𝗺𝗼-𝗻𝗼𝘀 𝗲𝗺 𝗯𝗿𝗲𝘃𝗲!

NÃO PERCA AS MINHAS AVENTURAS E OLHARES FOTOGRÁFICOS NO SAPO VIAGENS! UM ENCONTRO COM A HISTÓRIA, AO SABOR DAS IMAGENS. SIGA-NOS NO INSTAGRAM @OLIRAFFOTOGRAFIA

Nota importante [👤]

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são suscetíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. As recomendações de produtos turísticos baseiam-se nas experiências [reais] de viagem e o conteúdo editorial é independente de terceiros.  Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03

🖋️Texto: Rafael Oliveira 📸 Fotografia: Oliraf Fotografia

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

FOTOGRAFIA✈︎VIAGENS✈︎PORTUGAL © OLIRAF (2020)

 CONTACT: OLIRAF89@GMAIL.COM

🏺Tavira, o legado islâmico (713-1242).

📜Situada no sul de Portugal, no Sotavento Algarvio, Tavira foi a primeira povoação do Algarve a ser elevada a Cidade, a 16 de março de 1520, em carta outorgada por D.Manuel I (1495-1521). Durante o dominio islâmico (713-1242), a vila algarvia foi um próspero e independente Reino Taifa do Al-Andalus (Séc.XII): uma comunidade marítima de piratas. Foi o porto de mar que deu a fortuna e nobreza a Tavira. Era a cidade mais populosa do Algarve nos séculos XV/XVI e detinha um importante porto fluvial para apoio às armadas reais e da defesa das praças conquistadas no Norte de África (Marrocos) pelos portugueses. Tavira é um ponto obrigatório para incluir num roteiro histórico-cultural pela região algarvia. A Cristandade e o Islão foram essenciais na formação e na identidade tavirense e algarvia.

Em árabe, Tabîra quer dizer “a escondida”. Esta cidade do Sotavento Algarvio possui muitas curiosidades e é um regalo para os nossos olhos. E porquê? Vejamos, Tavira possui a beleza do seu rio Gilão, das suas salinas, da ria formosa, as suas antigas muralhas donde podemos avistar a arquitetura urbana e religiosa e os museus que contam o seu dinamismo comercial e estratégico ao longos dos tempos. A partir do Século XII, esta localidade algarvia tornou-se um dos principais centros marítimos e comerciais da costa algarvia. Havia dois factores: um porto defensável e a posição estratégica da estrada que ligava, através da ponte do rio Gilão, Sevilha a Silves. Juntamente com Xilb (Silves) e Ossónoba (Faro), a Tabîra islâmica era uma das mais importantes cidades do Gharb Al-Andalus. Ao percorrer o centro histórico da cidade, podemos comprovar esta importância pela dimensão do seu Castelo e, mais tarde, com as inúmeras Igrejas em diversos estilos arquitectónicos são como uma viagem pela História de Arte em Portugal.

Ponte Velha, datada do séc.XVII, sobre o rio Gilão, e os célebres “telhados de tesoura” de Tavira

Tavira islâmica: um resumo histórico…

Aquando da chegada dos seguidores de Maomé, ao Al Garb al Andaluz, em 712, Tavira estaria deserta ou, na melhor das hipóteses, perdera o fulgor económico e mercantil de outras épocas, particularmente, na época os fenícios. Durante os séculos de domínio árabe, a fortaleza de Cacela, por exemplo, detinha um estatuto de maior importância militar por, ser aí a barra do Rio Gilão. Assim, Tavira seria uma urbe muçuçulmana tardia na história da presença da civilização islâmica da Península Ibérica (711-1492), a comprovar pela falta de elementos materiais anteriores ao século XI. Os muçulmanos conferem à urbe um novo ânimo social, económico, comerical e militar nos séc.XI-XII, chegando esta a ser capital de um Reino Taifa e, durante período almóada, capital de um distrito. Em finais do séc. X/inícios do XI, o castelo é construido no topo da colina de Santa Maria. Entre 1151 e 1167, sob o comando de Amil b. Munib, resistiu com êxito a dois cercos do califa almóada Abu Muhammad ‘Abd al-Mu’mim al-Qa’im. As gentes de tavira eram conhecidas pelas sua forte resistência a poderes centralizadores e movimentos expansionistas do Magrebe, tais como, os almorávidas e os almóadas. Com o avanço da reconquista cristã, a urbe islâmica vai aumentar siginificativamente a dimensão do recinto muralhado com a fixação de população vindos do norte da Peninsula Ibérica em busca de refúgio para áreas com fronteiras mais estáveis a sul e longe da fronteira beligerante entre as hostes cristãos e mouriscas. Os almorávidas dotam Tavira de uma primeira muralha, nos finais do século XI, e mais tarde, os Almóadas fazem uma reforma profunda durante a segunda metade do séc.XII, passando esta a integrar a rede de castelos defensivos do Algarve. Ainda hoje, existem inúmeros vestígios de restos de muralhas construidas em taipa e na alcáçova, conserva-se um exemplar de uma torre albarrã hexagonal.

Torre do Relógio da Igreja de Santa Maria do Castelo – Tavira

A Igreja de Santa Maria do Castelo foi construída após a conquista de Tavira pela Ordem de Santiago (1242) na segunda metade do século XIII e XIV, em estilo gótico, no local onde anteriormente se situara a mesquita maior de Tavira- Estava localizada, no coração da urbe islâmica, dentro do perímetro muralhado e nas proximidades da antiga alcáçova. Mais do que falar sobre as raízes da História da cidade de Tavira, o Núcleo Museológico Islâmico desta cidade é um convite à descoberta do legado material e imaterial da época islâmica. Este núcleo do Museu Municipal de Tavira foi inaugurado em 2012 precisamente no local onde foi achado o famoso “Vaso de Tavira” (1996). Tem na sua exposição permanente – Tavira Islâmica – uma abordagem histórica sobre  a cidade no período islâmico até à reconquista cristã. Resultou, assim, das intervenções arqueológicas efectuadas em vários locais do centro histórico da cidade como, por exemplo, a identificação de um bairro almóada, datado dos finais do século XII/inícios do século XIII, durante as obras de requalificação e adaptação do antigo convento de Nossa Senhora da Graça a Pousada da Enatur (Empresa Nacional de Turismo).

 Núcleo Museológico Islâmico – as origens e o auge da Dinastia Omíada (713-1031) – Museu Municipal de Tavira

Encontro-me com a Dr.ª Sandra Cavaco, a arqueóloga do Município de Tavira, que será a minha guia nesta viagem pela máquina do tempo. A sua linguagem é simples e direta, indo ao encontro dos meus interesses. Fala-me do passado milenar desta cidade, habitada por civlizações antigas, em virtude da sua posição estratégica (oceano atlântico) e comercial (porto de pesca e salinas). Na época islâmica, a cidade de Tabîra era uma “República” de Piratas que atacavam o comércio maritimo muçulmano ou cristão, dando guarida a gentes de má fama. Por esta razão, o poder centralizado e unificado islâmico – os Almorávidas e Almóadas – por sucessivas ocasiões intentou submeter esta cidade de piratas à sua lei. Os Tavirenses só submeteram-se as hostes cristãs no final da primeira metade do séc.XIII à Ordem Militar de Santiago. De acordo com a Crónica da Conquista do Algarve, Tavira foi conquistada aos mouros, em 1242, pelas hostes cristãs de D. Paio Peres Correia, mestre da Ordem de Santiago, como represália pela morte de sete dos seus cavaleiros hospitalários – D. Pedro Pires (Peres ou Rodrigues, comendador da Ordem de Santiago de Castela), Mem do Vale, Durão (ou Damião) Vaz, Álvoro (Álvaro) Garcia (ou Garcia Estevam), Estêvão (Estevam) Vaz (Vasques), Beltrão de Caia e mais um mercador judeu de nome Garcia Roiz (ou Rodrigues) – que caçavam nas imediações da cidade islâmica durante um período de tréguas entre as forças cristãs e a guarnição islâmica. O acordo de paz foi quebrado quando os cavaleiros se aproximaram de Tavira. No interior da Igreja de Santa Maria do Castelo, concretamente nas paredes laterais da capela-mor, estão sepultados estes guerreiros e mártires cristãos que morreram na reconquista cristã de Tavira. Aqui, denotamos a importância crucial da Ordem Militar de Santiago na promoção da reconquista cristã do Alentejo e do Algarve, bem como na afirmação e estabelecimento de Portugal como nação independente.

Vaso islâmico decorado com figuras e animais, datado do séc.XI

Vaso de Tavira é um dos mais expressivos testemunhos da vida na região do Al Andaluz durante o século XI.. É o ex-libris deste espaço museológico e da sua exposição permanente. Trata-se do mais famoso vestígio islâmico da cidade. Segundo os académicos, o vaso cerâmicom de cariz popular, parece representar um rapto nupcial. Apresenta no bordo onze figuras e nas paredes, linhas, retículas, peixes e outros elementos pintados a branco. Destaca-se a noiva com a face descoberta e o noivo com um turbante, ambos a cavalo; um besteiro e um cavaleiro; um tocador de tambor e de adufe; uma tartaruga e várias pombas; e o dote, constituído por um bovídeo, um caprídeo, um camelo e um ovino. Importa também destacar, a torre em Taipa Militar, os restos da muralha islâmica do século XII e o capitel em mármore branco datado da época califal omíada, originária das oficinas da Madinat al-Zahra em Córdoba. Os Muçulmanos foram expulsos, em conjunto com a comunidade judaíca, no final do séc. XV. Ainda hoje, as marcas islâmicas são, ainda, visíveis no centro histórico. Veja-se o topo da antiga colina de Santa Maria – os restos da antiga muralha e castelo islâmico e a mesquita maior – as icónicas portas de reixa, de finos entrelaçados de madeira, evocadoras da herança árabe presente na cultura algarvia.

SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS FACEBOOKINSTAGRAM E NO PORTAL SAPO VIAGENS! UM ENCONTRO COM A HISTÓRIA, AO SABOR DAS IMAGENS, ONDE PODE REVER ESTE E OUTROS ARTIGOS DA NOSSA AUTORIA…

📝Nota Informativa:

No âmbito da iniciativa «Redescobrir os Segredos do Algarve | Rota Omíada», promovida pelo Turismo do Algarve com o apoio da Direção Regional de Cultura e do Município de Vila do Bispo, o Blogue OLIRAF relizou um roteiro histórico-cultural pelos 11 municípios, onde se inclui o concelho de Tavira, e 14 localidades que integran a Rota Omíada do Algarve durante o mês de Dezembro de 2016.

🚏 Como chegar

A partir de Lisboa optei por reservar uma viagem em Alfa pendular, através da Comboios de Portugal. Faro era a minha base para efectuar a Rota Omíada do Algarve. Para tal, optei por alugar uma viatura rent-a-car para fazer a ligação entre os diversos pontos histórico-culturais desta rota. Na maioria dos casos, utilizei a via do Infante (A22) e a Nacional 125. No caso da ida para Alcoutim, optei pela A22 até Castro Marim e depois o IC27 (Beja) até Alcoutim (N122-1).

🔗Para mais informações:

Consulte o nosso artigo sobre a Rota Omíada do Algarve (Blogue OLIRAF) para preparar um roteiro histórico-cultural durante as suas férias algarvias, com base no legado omíada no Algarve, onde disponibilizamos inúmeras sugestões, dicas e experiências temáticas de descoberta e exploração da diversidade territorial desta região portuguesa. As experiências disponibilizadas desafiam os turistas a explorar o território e a aumentar o seu tempo de estada na região, com flexibilidade para parar, contemplar e experimentar o muito que há para conhecer, desde os vestígios de castelos e muralhas urbana, testemunhos arqueológicos, espaços museológicos e a diversidade da gastronomia local. Para mais informações sobre a Rota Omíada e a cidade de Tavira, clique nos seguintes links:

Região de Turismo do Algarve – Rota Omíada

Direcção Regional de Cultura do Algarve

Projeto Umayyad Route (Site) | Roteiro Omíada Algarve (PDF)

Museu Municipal de Tavira

Centros históricos de influência islâmica : Tavira, Faro, Loulé, Silves. [ed.] Instituto de Cultura Íbero-Atlântica; coord. Valdemar Coutinho. Portimão : I.C.I.-A., 2001. 55, [3] p. : il. ; 23 cm + 4 f. desdobr. em bolsa resguard.

DOMINGUES, José D. Garcia – O Gharb al-Andalus. Silves : Centro de Estudos Luso-Árabes de Silves, 2011-. v. : il. ; 21 cm

CORREIA, Fernando M. R. Branco. Fortificações urbanas da época islâmica no Algarve, Património islâmico dos centros urbanos do Algarve: contributos para o futuro, 2002, pp.81-90

FERNANDES, Carla Varela.- A Igreja de Santa Maria do Castelo de Tavira. Lisboa: Colibri e Câmara Municipal de Tavira, 2000. 160 pp.: il.; 260 mm

MAIA, Maria Adelaide Garcia Pereira Andrade, MAIA, Manuel Maria da Fonseca Andrade. As muralhas medievais e post-medievais de Tavira, Património islâmico dos centros urbanos do Algarve:contributos para o futuro, 2002, pp.66-80

TAVIRA. Museu Municipal. Núcleo Islâmico – Tavira islâmica. Coord. Maria Maia… [et al.]; textos Ahmed Tahiri… [et al.]; fot. António Cunha, Ana Vieira, Susana Gonçalves. Tavira : M.M. : Câmara Municipal, 2012. 125 p. a 2 colns. : il. ; 29 cm. Contém bibliografia. ISBN 978-972-8705-45-9

TORRES, Cláudio – O vaso de Tavira : uma proposta de interpretação. Fot. António Cunha. Mértola : Campo Arqueológico de Mértola, 2004. 25, [1] p. : il. ; 22 cm. Contém bibliografia. ISBN 972-9375-22-4

VAZ, Adérito Fernandes – Uma visão de Tavira islâmica. [S.l.] : Jornal do Sotavento, 2001 (Tavira : Tip. Tavirense). 264 p. : il. ; 21 cm. Bibliografia, p. 261. ISBN 972-95621-1-3


Nota importante [🔍]

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. As recomendações de produtos turísticos baseiam-se nas experiências [reais] de viagem e o conteúdo editorial é independente de terceiros. Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03

🖋 Texto: Rafael Oliveira   📷 Fotografia: Oliraf Fotografia 

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

FOTOGRAFIA✈︎VIAGENS✈︎PORTUGAL©OLIRAF (2020)

 CONTACT: OLIRAF89@GMAIL.COM