🏛️📷 Conheça o Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s: o mais antigo estúdio de fotografia em Portugal (1852-1978).

📷Uma viagem pelos primórdios da Arte Fotográfica em Portugal. Já imaginou um museu dentro de um antigo estúdio fotográfico oitocentista? Localizado na capital insular, no Funchal, o Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s é um espaço museológico aberto ao público desde 1982. Fechado durante muitos anos, entre 2014 e 2019, este museu instalado no antigo “studio” fotográfico de Vicente Gomes da Silva (1827-1906) reúne um vasto espólio composto por cenários, máquinas fotográficas, molduras com fotografias originais, livros sobre técnicas fotográficas e um valioso conjunto de 800 mil negativos, datados de 1876 a 1982, à guarda do Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira. Foi considerado o Museu Português do Ano em 2020, pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM), a premiar a paixão e o carinho do seu director, funcionários e de todos os madeirenses pelo legado patrimonial e imagético das quatro gerações da Photographia Vicente. Ainda hoje, a “Photograhia Vicente” representa, no panorama do património cultural da Ilha da Madeira, uma das mais prestigiadas e principais casas fotográficas, quer pela sua antiguidade, quer pela sua atividade na mesma família ao longo de quatro gerações. Vamos conhecer o mais antigo estúdio de fotografia do país e venha celebrar connosco o Dia Mundial da Fotografia!

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

A Fotografia nasceu há 182 anos!

O Dia Mundial Fotografia é comemorado, anualmente, a 19 de Agosto. Apesar da primeira imagem fotográfica ter sido produzida em 1826 (Joseph Nicéphore Niépce empregando elementos da química e da física, tendo criado a héliographie, em 1826. Nessa experiência, ele aliou o princípio da “camara obscura” à característica fotossensível dos sais de prata), só nos finais dos anos 40 do século XIX o processo fotográfico foi suficientemente divulgado para se assumir como um meio dotado de possibilidades estéticas, através de um sistema de captação de imagem permanente, devidamente aprimorado e oficializado. O dia 19 de agosto de 1839 acordou com uma notícia: o governo de França anunciou, oficialmente, a invenção da fotografia: um presente “grátis para o mundo”, após ter adquirido a patente deste processo fotográfico. Na verdade, a 6 de Janeiro de 1839, a Academia Francesa de Ciências já havia anunciado a invenção do daguerreótipo (a primeira notícia saiu no jornal Gazette de France – ver em francês e em inglês). O autor da proeza foi Louis Daguerre, um físico, pintor, cenógrafo e inventor francês que inventou o daguerreótipo – daguerreotype -, um processo fotográfico desenvolvido em 1837. A era romântica da fotografia feita a preto e branco dava os primeiros passos! Uma estória curiosa e uma invenção tecnológica da Revolução Industrial que mudou o mundo e que inspirou a instituição do Dia Mundial da Fotografia.

Como celebra um dia especial para todos os fotógrafos profissionais e amadores?

Aproveite para ser “turista na sua própria cidade”, faça uma viagem fotográfica pelo nosso país, fazer um retrato de estúdio em família (Silverbox), fazer um Workshop no Arquivo Municipal de Lisboa, visitar uma exposição fotográfica do Centro Português de Fotografia (CPF), acompanhar o lançamento de um livro técnico/catálogo exposição, conhecer a Casa-Estúdio Carlos Relvas (Golegã) ou assistir a um webinar com o seu fotógrafo ou influencer preferido! Porque o ato de fotografar, já é sinónimo de celebração!

➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖➖

Atelier Vicente`s”: um pouco de história…

A Ilha da Madeira, particularmente a cidade do Funchal, tornou-se um dos destinos exóticos mais procurados pela burguesia e elite europeia da segunda metade do século XIX, em virtude do seu clima ameno, natureza exuberante e a hospitalidade das suas gentes. Com os navios a vapor que aportavam à Madeira chegavam também as novas ideias e técnicas revolucionárias. Foi o caso da fotografia, uma invenção tecnológica do tempo da revolução industrial. Ao longo do século XIX estabelecem-se no Funchal os primeiros “studios” fotográficos, nomeadamente: Vicentes Photographos, João Francisco Camacho, Augusto Maria Camacho, Perestrellos Photographos, Augusto César dos Santos e o seu sócio Joaquim Augusto de Sousa.

Em 1846 Vicente Gomes da Silva iniciou a sua atividade profissional como gravador e em 1853, a 27 abril, recebeu a mercê de “gravador de sua Majestade a Imperatriz do Brasil, Duquesa de Bragança”. Em 1856, iniciou a “arte de fotografar” na residência particular.

Em pleno centro da cidade do Funchal, na Rua da Carreira, existe um emblemático edifício que alberga, desde 1865,  um dos estúdios fotográficos mais antigos do Mundo: o Atelier Vicente`s. Em Portugal apenas subsistem dois – o Atelier Vicente`s (Funchal) e a Casa-Estúdio Carlos Relvas (Golegã) -, ambos da segunda metade do século XIX. Este imóvel era uma antiga propriedade do morgado João Câmara Carvalhal Esmeraldo, negociado e adquirido a 27 de maio de 1865 por Vicente Gomes da Silva (1827-1906). Mais tarde, entre 1886 e 1887, o Atelier é alvo de uma profunda remodelação com colunas de ferro e construção de uma varanda corrida sobre o pátio e ampliação da residência para norte – nascente e do “estúdio” para Sul. O objetivo era instalar a nova morada e o atelier fotográfico num único espaço, com boas condições para acolher um público diverso e democrático, “tornando-se num dos mais antigos estúdios abertos ao público no nosso país” e um dos ex-libris do Funchal que muito contribuiu para a transformação da fotografia em produto de consumo, “permitindo que as classes menos abastadas se pudessem retratar, outrora privilégio de ricos”, lê-se na História Familiar/Administrativa/Biográfica do seu espólio documental.

Ao longo da sua história, o Atelier Vicente’s recebeu duas importantes distinções pelos seus trabalhos fotográficos, sendo que a primeira foi concedida em 1866 pelo império Austro-húngaro, na sequência do retrato da Imperatriz Elizabeth D’Aústria (1837–1898), mais comumente conhecida por “Sissi”, que Vicente Gomes da Silva captou em 1860, na Quinta Vigia, tendo sido agraciado com o título de “Photographe de Sa Majesté I’Impératrice d’Austriche”. Em 1903, o seu filho, Vicente Júnior (1857-1933), foi agraciado com o título de “Photographo da Casa Real Portuguesa”, pelos seus registos fotográficos da primeiro monarca português a visitar possessões ultramarinas: D.Carlos de Bragança (1863-1908) e da Rainha D. Amélia de Orleães (1865-1951) por ocasião da visita régia à ilha da Madeira em 1901. Por aqui passaram, por exemplo, os exploradores Hermenegildo Cabelo e Roberto Ivens, em 1885, Gago Coutinho e Sacadura Cabral, em 1921, para efectuar, e imortalizar, um retrato de estúdio a caminho da suas aventuras ultramarinas e explorações cientificas que tanto orgulho deram a Portugal e as lusitanas gentes.

Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s

Inaugurado no ano de 1982, o antigo “Photographia-Museu Vicentes” esteve fechado ao público durante cinco anos (2014-2019). Em julho de 2019, em função das obras de requalificação do edifício e do espaço museológico, que a devolveram ao traçado e características originais, passou a denominar-se “Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s (MFM-AV)”. Reabriu, com pompa e circunstância, para delicia dos amantes da história e arte fotográfica, com com uma exposição temporária intitulada “Tesouros da Fotografia Portuguesa do século XIX”. Foi eleito Museu Português do Ano em 2020, pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM), a premiar a paixão e o carinho do seu diretor, funcionários e de todos os madeirenses pelo legado patrimonial e imagético das quatro gerações da Photographia Vicente. Recentemente, entre abril e julho de 2021, esteve patente uma exposição temporária sobre a retrospectiva da vida e a obra fotográfica do funchalense João Pestana (1929-2017).

Entre 1852 e 1978, as quatro gerações da família Vicentes documentaram acontecimentos históricos da Ilha da Madeira e retrataram os habitantes, ilustres e menos ilustres, da sociedade madeirense, monarcas portugueses e europeus, presidentes ou aventureiros que passavam  por estas latitudes. Além de manter o “studio” fotográfico original do fotógrafo insular Vicente Gomes da Silva, a Exposição permanente conta com uma vasta e interessante coleção fotográfica de inúmeros fotógrafos, profissionais e amadores, madeirenses: João Francisco Camacho, Vicente Photographos e Perestrellos Photographos. No mais antigo estúdio de fotografia existente em Portugal, os visitantes têm a possibilidade de observar de perto os cenários e adereços utilizados para fazer um retrato de estúdio, uma coleção de máquinas fotográficas, livros relativos às técnicas fotográficas e ainda mobiliário de época do antigo ateliê. Contém ainda a explicação dos diversos processos fotográficos que fizeram a história da arte fotográfica desde o séc. XIX e XX e de uma sala multimédia onde podemos visualizar um vídeo sobre a fotografia na Ilha da Madeira, materializando os anos de atividade da família de fotógrafos insulares: os Vicentes.

É de salutar e louvar a recuperação deste património edificado secular para a sociedade madeirense e para as comunidades de outras latitudes que visitam a Ilha da Madeira. Visitá-lo é reavivar a memória insular e a História da Fotografia no continente Europeu, imaginando como seria o quotidiano  e a vivência de um fotógrafo do séc. XIX. 

Deixo-vos, abaixo, um conjunto de imagens que ilustram a minha visita ao espaço e as peças museológicas que mais prenderam a minha atenção:

A agitação quotidiana da Rua da Carreira: o estúdio fotográfico, imóvel rosa à esquerda, situa-se no coração da urbe funchalense | OLIRAF ®Direitos reservados
Publicidade à “Casa Vicente” na Rua da Carreira | OLIRAF ®Direitos reservados
Pátio de entrada para o Atelier do Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s. ¬ OLIRAF ®Direitos reservados
Vicente Gomes da Silva, Júnior, que foi agraciado com o título de “Photographo da Casa Real Portuguesa”, em 1903, no âmbito da visita do casal real D. Carlos de Bragança e de D. Maria Amélia de Orleães à cidade do Funchal (1901). Tinha o direito de usar na fachada as armas reais portuguesa ¬ OLIRAF ®Direitos reservados
Aspeto parcial de uma Sala para Exposições Temporárias. As visitas são gratuitas. ¬ OLIRAF ®Direitos reservados
Vista geral do Estúdio Fotográfico e com os respetivos cenários oitocentistas ¬ OLIRAF ®Direitos reservados
Antigas máquinas fotográficas e respetivas objetivas ¬ OLIRAF ®Direitos reservados
Exemplo de um Daguerreótipo, um dos primeiros processos fotográficos que esteve em voga nos anos 40 e 50 do séc.XIX. ¬ OLIRAF ®Direitos reservados
NÃO PERCA AS MINHAS AVENTURAS E OLHARES FOTOGRÁFICOS NO INSTAGRAM E NO SAPO VIAGENS! UM ENCONTRO COM A HISTÓRIA, AO SABOR DAS IMAGENS…

📝Nota Informativa:

Em nome do Blogue OLIRAF, um agradecimento ao Museu de Fotografia da Madeira- Atelier Vicentes’s, na pessoa do diretor Filipe Bettencourt, pela forma como fomos recebidos neste novo espaço cultural madeirense.

🔗Para mais informações:

O Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s [Facebook e Instagram | @mfmvicentes] é um organismo tutelado pela  Secretaria Regional do Turismo e Cultura (SRTC) da Região Autónoma da Madeira (RAM) dispõe de uma loja, sala multimédia (onde se encontra a passar um pequeno “slide show” sobre visitantes ilustres e um filme documentário, normalmente sobre a ilha da Madeira), uma biblioteca e um serviço educativo (dinamiza visita guiadas ao seu acervo e às exposições temporárias desde que estas sejam previamente agendadas e que sejam cumpridos os requisitos de segurança impostos). 

A 13 de junho de 1979, o Governo Regional da Madeira ( RAM) adquiriu o valioso e riquíssimo arquivo fotográfico, com cerca de 800 mil negativos, datáveis entre 1876 e 1982. com posterior integração no Photographia-Museu Vicentes.  É um espólio documental detido pelo Photographia-Museu Vicentes (atual Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s), em depósito [desde 23 de junho de 2016, no Arquivo e Biblioteca Pública da Madeira (ABM), a fim de garantir melhores condições de conservação. O fundo está parcialmente disponível ao público em formato digital (poderá ser consultado online aqui), visto que o tratamento arquivístico deste espólio fotográfico encontra-se [ainda] em curso. 

Horário de funcionamento
De terça a sábado: 10.00h às 17.00h
Encerra aos domingos e segundas-feiras e dias feriados nacionais, regionais e municipais

Ingresso
Geral: 3 €
Grupos organizados por agências de viagens ou associações:  2,50 €
Portadores do Cartão Jovem: 1,5 €
Reformados: 1,5 €

Entrada Livre
Crianças
Membros da APOM / ICOM ou de quaisquer entidades públicas ou privadas afins, nacionais ou internacionais
Estudantes
Jornalistas e profissionais do Turismo no desempenho das suas funções e devidamente identificados
Guias
Professores desde que devidamente identificados
Funcionários da Secretaria Regional que tutela o Museu

O acesso às Exposições Temporárias é gratuito.

Contactos e Localização

Tutela: Direção de Serviços de Museus e Património Cultural – Direção Regional da Cultura

Endereço: Rua da Carreira, n.º 43, 9000-042 Funchal

GPS: Lat: 32,6490036 Long: -16,910297600000035

Telf(s): +351 291 145 325

E-mail: mfm-avicentes@madeira.gov.pt

Uma escapadinha à Ilha da Madeira está nos seus planos?

A página VISIT MADEIRA é o Site Oficial do Turismo da Madeira. Trata-se de um organismo regional – Associação de Promoção da Madeira – que promove e divulga o destino Madeira no mercado internacional e interno. Nele, o leitor, poderá encontrar inúmeras informações da oferta, extensa e diversificada, de onde dormir, o que fazer, as levadas, passeios de barco, empresas de animação turística, restaurantes, alojamentos  e os eventos que a Madeira e o Porto Santo têm para oferecer.

Nota importante [👤]

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. As recomendações de produtos turísticos baseiam-se nas experiências [reais] de viagem e o conteúdo editorial é independente de terceiros.  Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03

💻  Texto: Rafael Oliveira  📷 Fotografia: Oliraf Fotografia 🌎

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

 FOTOGRAFIA✈︎VIAGENS✈︎PORTUGAL©OLIRAF (2021)

📩 CONTACT: OLIRAF89@oliraf89