🏠 Mata Pequena: a singularidade de uma aldeia saloia…

📌 Mata Pequena: uma aldeia saloia, com certeza!

A região Oeste é uma terra de contrastes. A Mata Pequena é um bom exemplo de uma «ressurreição», como afirmou José Hermano Saraiva, de uma aldeia saloia esquecida pelo homem e pela passagem do tempo. Em tempos idos, o nosso Portugal era um grande tecido de aldeias. Autenticidade e tradição são as palavras para descrever esta aldeia recuperada pelo neto do oleiro José Franco, Diogo Batalha. Para quem gosta de história e etnografia, é uma viagem no tempo. O tempo dos nossos antepassados. Até nos mais pequenos pormenores ficamos surpreendidos…

img_20160626_212811

A Aldeia da Mata Pequena é um pequeno povoado rural, composto por treze  habitações, situado a escassos 40 km da cidade de Lisboa. Tão perto da capital e tão longe do stress e do rebuliço urbano. Trata-se de uma aldeia recuperada ao pormenor e com rigor etnográfico e histórico, sendo um dos raros exemplares da arquitectura tradicional da região saloia, em particular, do concelho de Mafra.

img_20160410_194912

…Tradição saloia revive na Aldeia da Mata Pequena. Diogo Batalha herdou de seu avô, o conhecido ceramista e oleiro José Franco, a paixão pelas terras saloias. Uma paixão que o levou a fazer renascer uma aldeia esquecida do concelho de Mafra, num belíssimo exemplo de preservação da arquitectura regional…“, afirmou no seu programa televisivo, o Tempo e a Alma, José Hermano Saraiva.

img_20160628_100945

Diogo Batalha herdou os genes do seu avô, o oleiro José Franco, pela preservação e gosto pela História. Fruto do labouro, desde 2005, da sua paixão e de muitos anos de  pesquisa do património material e imaterial das gentes e casas saloias de antigamente, a aldeia – da Mata Pequena – foi distinguida em 2010 com o I Prémio de arquitectura para edifícios recuperados, atribuído pela Câmara Municipal de Mafra. Casa a casa, o projecto foi avançado de uma forma sustentável, onde o objectivo era preservar a autenticidade, a magia e a essência de uma aldeia saloia. Ainda hoje podemos ver alguns habitantes a cultivar as suas terras, das suas casas e dos seus animais. Uma mais valia para os futuros habitantes da aldeia.

img_20160625_132137

A Aldeia da Mata Pequena é hoje um “museu etnográfico a céu aberto”. A verdadeira essência de uma típica aldeia  saloia. Aqui, através dos cheiros, dos objectos, cores e tradições, podemos viajar no tempo até meados do século XX. Este paraíso rural em comunhão com a natureza, com os animais e a tranquilidade do local são um convite a uma fuga da rotina citadina às portas de Lisboa.

img_20160410_190754

Entre os montes e vales que fazem desta da região saloia, um dos locais singulares do nosso pitoresco Portugal, a  Mata Pequena é a simplicidade da arquitectura tradicional e da vivência dos nossos antepassados. Durante a minha estadia tive oportunidade de verificar a rusticidade destas pequenas mas muito acolhedoras casas rurais, que foram rigorosamente recuperadas, tendo em conta os materiais de construção à época e traça original. Diogo Batalha reproduziu, com um rigor histórico, etnográfico e social, o espaço em que muitos dos nossos antepassados viveram e que era o seu quotidiano habitual. É um lugar de memória. E isso reflecte-se no exterior e interior das habitações, nomeadamente, nas peças de mobiliário e utensílios da vida rural.

img_20160626_212903
Petiscos da Tasquinha do Gil

Como chegar?
A partir de Mafra, seguir pela N116 até à Carapinheira e, a partir daí, optar pela N9, em direção a Sintra. Em Cheleiros, subir até à Igreja Nova e, depois, seguir as placas que dizem Mata Pequena.

Coordenadas GPS: N 38º 53′ 43.63” W 09º 19′ 11.63″

Onde ficar?
Hoje, a Aldeia da Mata Pequena é, quase toda ela, uma unidade de alojamento local – turismo rural – com treze casas de diferentes tipologias, do T1 ao T3, e diárias que variam, nesta altura, entre os 60, 90 € e 120€. O Preço varia consoante o tamanho das habitações. Importa referir que há pão de Mafra cozido em lenha incluído no pequeno-almoço. E esta, hein?!

O que comer?
Dentro da própria aldeia encontra-se a Tasquinha do Gil, um restaurante que recupera o espírito das antigas tasquinhas de aldeia, com uma ementa à base de petiscos criativos.

Como reservar?

Rua São Francisco de Assis, Igreja Nova. 21 927 0908. diogobatalha@aldeiadamatapequena.com

Não deixe de…

  • Passear ao longo da “pacata”Ericeira;
  • Visitar o Palácio Nacional de Mafra;
  • Fazer Snorkeling / Mergulho nas Berlengas;
  • Almoçar e provar o peixe e o marisco em Porto Novo;
  • Beber um bom vinho da região Oeste.
  • Visitar a Ponte Medieval de Cheleiros;
  • Visitar a Vila Medieval de Óbidos.

Veja mais em: https://www.aldeiadamatapequena.com/?lang=en

Nota importante

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações, dicas e conselhos, e são susceptíveis de alteração a qualquer momento. O Blogue OLIRAF não poderá ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes. Se quiser partilhar ou divulgar as minhas fotografias, poderá fazê-lo desde que mencione os direitos morais e de autor das mesmas.

linhagraficaALL-oliraf-03

Texto: Rafael Oliveira  | Fotografia: Oliraf Fotografia

Follow me: @oliraffotografia on Instagram | Oliraf Fotografia on Facebook

Fotografia•Viagens•Portugal © OLIRAF (2016)

Contact: oliraf89@gmail.com

3 thoughts on “🏠 Mata Pequena: a singularidade de uma aldeia saloia…

  1. Mais uma bela aldeia para visitar novo. Um belo enquadramento e quem diria que ficava tao perto da capital. Continuação de bons cliques!

Deixe uma Resposta para oliraf89 Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s